Coletivo de torcedores do Sampaio Corrêa se manifesta contra novo atleta do clube

Nesta quinta (10), o Movimento Brava Bolívia 1923, primeira Barra brava (grupo de torcedores que cantam o jogo todo) do Sampaio Corrêa emitiu uma nota criticando a contratação do atacante Wesley Pionteck, anunciado horas antes pela equipe tricolor como reforço para o decorrer da temporada 2022.

O motivo é o fato de que o atleta foi condenado por agressão a sua ex-namorada, em 2019, na época, Wesley Pionteck, que havia sido emprestado pelo Botafogo-SP para atuar no Santos, foi alvo de denúncias da ex-companheira, que afirmou ter sido alvo de violência física e psicológica, tendo chegado a levar uma facada do jogador.

Pionteck, que desde então passou a comunicar seus deslocamentos à justiça, chegou a ser preso, mas foi solto após pagamento de fiança e cumpriu pena em regime aberto de um ano e quatro meses. Veja a nota a seguir:

Crédito: Reprodução/Brava Bolívia.

Não é a primeira vez que uma torcida repudia a contratação do jogador de 25 anos, dentre os exemplos, estão dos casos de 2021, no primeiro, o Juventude/RS desistiu de trazer Pionteck após pressão dos seus apoiadores, meses depois, ele foi parar no Vitória/BA, onde sofreu com criticas mesmo com as defesas do presidente Paulo Carneiro.

Na ocasião, O dirigente rubro-negro afirmou que o atacante tem direito de estar em.liberdade, uma vez que pagou pelo seu crime, e os torcedores não deveriam julga-lo.

Crédito foto principal: Reprodução/Sampaio Corrêa.