Atlético Mineiro empata com o Emelec em 1 a 1 e vai decidir vaga no Mineirão

Frustração ! Esse é o sentimento gerado ao torcedor atleticano, depois da partida do seu time contra o Emelec, no Equador. Depois de terminar o primeiro tempo ganhando de 1 a 0, com o gol de Ademir, tinha-se a impressão de que, no segundo tempo, o placar poderia ser ampliado e, praticamente, definindo sua classificação.

Logo no começo do jogo, aos 3 minutos, Everson errou uma saída de bola. A bola chegou para Cabeza, que, incrivelmente, furou. Depois desse lance, o Atlético Mineiro começou impor seu jogo e bloqueando as ações ofensivas do time equatoriano, tanto pelas laterais como pelo meio da sua defesa. Tanto é que logo aos 16 minutos, saiu o gol do Galo. Boa jogada de Hulk e passe certeiro a Ademir. De pé esquerdo, chute rasteiro no canto direito do bom goleiro Pedro Ortiz.

Outras chances criadas pelo Atlético Mineiro e sempre com as presenças de Hulk, Ademir e Nacho Fernández. A expectativa de sair o segundo gol, pelo volume de jogo aplicado, era uma questão de tempo. O time do Emelec perdeu uma grande chance de empatar aos 41 minutos. Jackson Rodriguez invadiu a área, livre pela direita e chutou rasteiro. A bola bateu no poste esquerdo e saiu.  Esse lance fez o Emelec crescer nos minutos finais do primeiro tempo e na partida. 1 a 0 foi o placar final da etapa inicial. Foi pouco pelo que o Galo jogou.

O segundo tempo começou diferente. Parece que a bola na trave deu um ânimo maior ao Emelec. Mas a primeira chance de gol foi atleticana. Hulk conduziu a bola em belo contra-ataque. Viu Ademir do lado que entrou na área e arrematou no centro do gol, facilitando a defesa de Pedro Ortiz. Isso custou caro ao time brasileiro.

O Atlético Mineiro recuou em demasia. E o gol de empate do time equatoriano surgiu de uma bola alçada na área por Zapata. Nathan subiu com Cabeza e atingiu seu cotovelo no rosto do atacante do Emelec. O VAR chamou o árbitro argentino Fernando Rapallini, que confirmou o pênalti e deu cartão amarelo ao zagueiro Nathan Silva. Cobrança feita por Sebastián Rodriguez e sem chances defesa para Everson. O empate foi uma ducha de água fria.

E a situação do time brasileiro ficou mais crítica. Aos 20 minutos, Allan e Jackson Rodriguez trocaram empurrões e o meia brasileiro desferiu uma cotovelada no jogador do Emelec. Mais uma vez o VAR avisou ao árbitro. Não dá para brigar com imagens: Allan foi expulso e o Atlético jogaria mais meia hora com um a menos. A pressão seria inevitável por parte do Emelec.

O Atlético Mineiro tinha o jogo em sua mãos e, em pouco tempo, já pensava em segurar o empate. Ganhar nessas circunstâncias seria um grande feito. Ademir perdeu uma chance aos 25 minutos. Chutou por cima da meta de Pedro Ortiz.  Hulk perdeu uma chances aos 33 minutos e Everson evitou o gol da vitória do time equatoriano aos 37, segurando um chute de Carabali.

Aos 40 minutos, um pênalti marcado sobre Hulk seria a redenção à equipe mineira. Ele mesmo se posicionou em cobrar a penalidade máxima. Cobrou a meia altura e Pedro Ortiz fez grande defesa. Na última Libertadores, contra o Palmeiras no Allianz Parque, Hulk perdeu a penalidade quando o jogo estava 0 a 0.

Até o final da partida, não houve mais nenhuma chance que pudesse alterar o placar às duas equipes. Muita marcação, erros de passes e decisões tomadas precipitadamente foram os motivos principais. O empate acabou sendo um grande resultado ao Atlético Mineiro. Para o Emelec, uma oportunidade perdida de conquistar a vitória e ter a vantagem no jogo de volta.

Na próxima terça-feira, dia 05 de Julho, o Mineirão irá receber os dois times para definir quem chegará às quartas de final da Libertadores da América. Caso a partida termine empatada, a decisão será por penalidades máximas.

Foto: Pedro Souza / Atlético