Seleção feminina se garante nas semifinais da Copa América

Nesta segunda (18), as seleções femininas de Brasil e Venezuela se enfrentaram pela quarta rodada da Copa América, no estádio Centenário de Armenia, na cidade de Armenia, na Colômbia, e a seleção verde e amarelo derrotou as mulheres da vinotinto por 4×0, resultado que garante uma vaga para o Brasil na fase de mata-mata do torneio continental.

O primeiro gol saiu aos 21 do primeiro tempo, quando Bia Zaneratto aproveitou um cruzamento para tocar de cabeça, aos 6 do segundo tempo, Ary Borges driblou a marcadora após receber um passe, chutou cruzado para fazer o segundo, sete minutos depois, Debinha deu uma cabeçada após a bola ser mandada para a área e ampliou, a nº 9 fez o seu segundo no jogo aos 19, quando chutou cruzado e fechou a goleada.

Disputa de bola entre as atletas Carrasco (Venezuela) e Antonia (Brasil). Crédito: Reprodução/Instagram.

As brasileiras vão para a última rodada na liderança do Grupo B, com nove pontos, e já garantidas nas semifinais, já que o primeiro critério de desempate na Copa América é o confronto direto e o Brasil venceu as únicas seleções da chave que podem alcançá-la (Argentina e Venezuela). Outra seleção já classificada é a Colômbia, também com 100% de aproveitamento, e com mesmos nove pontos.

As semifinais estão marcadas para os dias 25 e 26 de julho, mas antes, as brasileiras vão fechar sua participação na fase de grupos na próxima quinta (21), contra o Peru, as 21h (horário de Brasília). No domingo (24), irá ocorrer a disputa do quinto lugar, confronto entre as duas terceiras colocadas de cada chave, que no momento, são Chile e Venezuela.

Card de celebração da classificação do Brasil. Crédito: Reprodução/CBF

Artilharia

Com os dois gols marcados contra as venezuelanas, Debinha chegou a quatro gols na competição e empatou com a colega de equipe Adriana, a quarta rodada termina com as duas brasileiras liderando o ranking de artilheiras da Copa América. O Brasil é dono do melhor ataque da competição com 11 gols, dois a mais que Chile, Argentina e a seleção anfitriã, empatadas em segundo, com nove gols cada.

Foto principal: Thais Magalhães/CBF