Brasil mantém hegemonia e conquista Copa América pela oitava vez

Neste sábado (30), o estádio Alfonso López, localizado em Bucaramanga, na Colômbia, foi palco da final da Copa América feminina, disputada entre a seleção anfitriã do torneio e a seleção do Brasil, que se sagrou campeã pela quarta edição seguida, ao derrotar as colombianas pelo placar de 1×0, gol marcado pela atacante Debinha.

O jogo começou difícil para as representantes do maior país da América do Sul, visto que a meio-campista Angelina se machucou nos minutos iniciais, e as atletas adversárias souberam se impor no primeiro tempo, em simultâneo, o Brasil possuía dificuldade em levar perigo, mas tudo mudou em uma jogada individual de Debinha.

Disputa de bola entre as atletas Tamires (Brasil) e Caicedo (Colômbia). Crédito: Reprodução/Copa América.

Aos 38 da etapa inicial, a número 9 foi derrubada na grande área e a arbitragem marcou pênalti, cobrado pela mesma jogadora que sofreu a penalidade, que deslocou Sepúlveda e marcou seu quinto gol na Copa América, o 20º das brasileiras, e empatou com Adriana na artilharia da amarelinha na competição.

No segundo tempo, o Brasil atacou com mais frequência, porém teve como prioridade administrar o resultado, enquanto as colombianas buscavam atuar de forma ofensiva, mas não conseguiram o empate.

Atletas do Brasil comemorando o gol de Debinha. Crédito: Thais Magalhães/CBF

É o primeiro título oficial do Brasil conquistado pela treinadora Pia Sundhage, responsável pela comissão técnica da seleção canarinho desde 2019, a sueca também se tornou a primeira mulher a conquistar o principal troféu do futebol sul-americano feminino, no cargo de treinadora.  

Feito inédito

Dona do melhor ataque da edição com 20 gols, a seleção brasileira de 2022 se tornou a primeira equipe da história a conquistar a Copa América sem levar nenhum gol, nas edições passadas, o vencedor sempre tinha a rede vazada, pelo menos uma vez, ao longo do torneio.

Arte para celebrar título da seleção brasileira. Crédito: Reprodução/CBF

Esta foi a nona edição da Copa América, das quais oito foram conquistadas pela amarelinha: 1991, 1995, 1998, 2003, 2010, 2014, 2018 e 2022, a edição de 2006, vencida pela Argentina, foi a única, até hoje, não foi conquistada pelo Brasil.

Melhor jogadora

Mesmo sem o título, a vencedora do prêmio de melhor jogadora do torneio foi a jovem meio-campista colombiana Linda Caicedo, de 17 anos, e autora de dois dos 14 gols marcados pelas comandadas de Nelson Abadía, a atleta é conhecida pela velocidade e por chegar com facilidade pelos lados. De acordo com o GE, Caicedo,que disputa o campeonato colombiano, chamou a atenção do Barcelona.